25.4.08

As perguntas para as suas respostas

Trilha sonora sugerida para este post:



Será que eu posso enfrentar esse seu outro amor? (1)

Posso lutar contra ele? Será que posso amar outra vez? (2)

Por que minhas pernas tremem quando penso em você? Por que sonho com seu sexo de novo? Por que me enlouquece saber que há marcas de outro no seu corpo? (3)

Por que ainda me surpreendo comigo mesmo? Por que tenho tanto a dizer? Por que insisto em dizer tanta coisa, se já está tudo estampado na minha cara? Por que eu teria cara de ponto de exclamação, se eu sou um pote, um poço, um oceano inteiro de dúvidas? (4)

Por que eu sou tão idiota? Por que não sinto vergonha de mim mesmo? Por que tenho a leve impressão de que faço sempre as piores escolhas? Por que eu ando tão musical? Por que eu fui assistir àquele filme? (5)

Por que estou escrevendo tudo isso? Por que estou escutando essa trilha pela enésima vez? Por que eu não contei o número exato de vezes em que ouvi essa canção? Por que a distância é tão doída e, ao mesmo tempo, tão confortavelmente segura? Por que você me tira o fôlego? Por que eu não me interesso por mais ninguém? (6)

Por que eu choro tão fácil? Por que eu não perco a capacidade de rir de mim mesmo? Por que eu acho graça de tudo e não vejo graça em mais ninguém? Por que o seu corpo pode ser o infinito e, ao mesmo tempo, ser tão palpável, tão delicioso de apertar? Será que eu vou ter vergonha de ter escrito isso no meu blog? Será que você vai ler essas palavras e me achar um louco, alucinado e criança? Será que o mundo é mesmo tão racional, tão estatisticamente perfeito? (7)

Faço minhas as palavras de Antônio Cícero, musicadas por Marina Lima, mas que eu prefiro nesta versão aqui. É a canção "Três", do novo álbum da Adriana Calcanhotto.

Um
Foi grande o meu amor
Não sei o que me deu
Quem inventou fui eu
Fiz de você o Sol
Da noite primordial
E o mundo fora nós
Se resumia a tédio e pó
Quando em você tudo se complicou
Dois
Se você quer amar
Não basta um só amor
Não sei como explicar
Um só sempre é demais
Pra seres como nós
Sujeitos a jogar
As fichas todas de uma vez
Sem temer, naufragar
Não há lugar pra lamúrias
Essas não caem bem
Não há lugar pra calunias
Mas por que não
Nos reinventar
Três
Eu quero tudo que há
O mundo e seu amor
Não quero ter que optar
Quero poder partir
Quero poder ficar
Poder fantasiar
Sem nexo e em qualquer lugar
Com seu sexo junto ao mar.


Não sai da minha cabeça o seu olhar silencioso, assustado, bichinho acuado no canto.

Que lindo o seu choro. Intenso, não tão fácil como o meu. Como sou manteiga derretida mesmo, é como se minhas lágrimas fossem artigos de camelô. Baratinhas, fáceis e, talvez, ligeiramente falsas. As suas não _elas parecem surgir apenas nos momentos cruciais.

Um choro indefensável o seu, é verdade, mas impossível de conter.

Você quer vir dormir comigo? (1)

Por que sou tão 0800? Por que sou tão 8 ou 80? (2)

Por que buscar respostas lógicas em algo que nada tem a ver com a lógica? Por que diabos me agarro tanto a esse maldito edredon, se faz tanto calor no Rio? Por que sinto tanto calor aqui dentro de mim? (3)

Por que eu sinto essa certeza de que você me completa? Por que eu sinto tanta saudade do seu beijo? Será que um dia estaremos prontos de verdade? Será que já não estamos? (4)

Por que sinto que estou sempre prestes a cometer uma loucura? Por que cargas d'água sou sempre racional o bastante para não colocar a loucura em prática? Por que estou tão certo de que a maior das loucuras é seguir vivendo cada dia, um depois do outro, como se não soubesse que estamos perdendo tempo? Por que acho saudável que você prove mais coisas do mundo? Por que, ao mesmo tempo, quero você só pra mim? (5)

Por que não acreditar que o futuro vai nos fazer rir de tudo isso? De onde tirei essa idéia estúpida de que, no fim, vamos ficar juntos? Será que posso ensinar a você que há outros caminhos para chegar ao mesmo resultado? Você só enxerga o 2+5, mas quem sabe não se surpreende com o 3+4? Será que o melhor não é fazer justamente o 8-1? Será que essa conta precisa obrigatoriamente fechar na ilusória perfeição do 7? (6)

Estou aberto a possibilidades e a operações inusitadas.

Só o que sei é que você é o meu número. Um número natural (N), inteiro (Z), racional (Q), real (R) e complexo (C).

O amor, estou convencido, é mesmo um número complexo. Não por ser difícil _não acredito que seja. Mas por ser formado sempre por uma parte real e uma parte imaginária.

O que eu sinto não poderia ser mais real. E o que eu imagino é que não há como não valer a pena.

Talvez a situação atual tenha mais cara de número hipercomplexo. Um complexo hiperbólico, um número bicomplexo... Partes vetoriais, partes escalares... Ou uma infinidade de sedeniões cônicos _modulares, alternativos e flexíveis.

A única certeza matemática é que não há número capaz de representar a força que me move, me empurra, me arrasta feito enxurrada, me leva e me eleva até você.

7 comentários:

Julia disse...

Você está obcecado por esse filme!!! A trilha sonora é foda mesmo!

Anônimo disse...

que amor é esse???

Anônimo disse...

Perguntas para as respostas de quem?? Essas tantas perguntas só podem ser respondidas por ninguém menos do que você mesmo, meu caro. Pois parece claro que esse ser tão amado e "elevado" por você já fez a sua própria escolha.
Não queira ser um mártir do amor, a maioria das pessoas já passou por isso, embora não publiquem. A maioria dos sofredores faz todas essas perguntas apenas a si mesmos, ou ao analista, aos amigos, ou a Deus. Não as faça a quem lhe deixa tão inquieto.

Anônimo disse...

Não consigo mais dormir desde que li esse post.

Anônimo disse...

Muitas lágrimas. Não há loucura em suas palavras... Muitos vão compreender você.

Anônimo disse...

Por que essas palavras soam como as de alguém que só contempla as opções, mas nunca age de verdade? Por que é tão mais cômodo se lamentar, ao invés de assumir a responsabilidade pelas próprias escolhas? Esse romantismo funciona muito bem no papel...

Juquinha disse...

Muito lindas suas palavras e mais ainda seu sentimento! Qto à isso ser bonito só no papel, o fato de transcrever suas emoções de maneira que tocasse até quem não está vivendo um momento como esses (eu mesmo fiquei arrepiado), já uma PUTA atitude! Parabéns!
Que pessoa de sorte é essa a quem vc dedica sentimentos tão bons e sinceros! Espero um dia ter o mesmo!