26.4.08

Apenas uma vez (muitas vezes)

Para quem pensa que estou obcecado pela trilha de "Once", o filme, devo dizer que, sim, é a mais pura verdade. O primeiro passo para a cura é a aceitação _mesmo que eu não queira propriamente me curar de coisíssima nenhuma.

Quero provar, porém, que não estou sozinho. Assim como no caso da dengue, o principal alvo dessa epidemia parece ser as crianças.

Um, draminha básico:



Dois, charme e estilo:



Três, viva o falsete:



Quatro, sem medo de ser feliz:



Cinco, dupla personalidade:



E eu nunca neguei que sou somente uma criança grande.

4 comentários:

Babi disse...

que bonitinho!!! fofo demais

Juquinha disse...

Hahahahahahaha!
Muito fofos!
Não vi o filme ainda, mas a partir dessa visita ao Blog, isso virou caso de vida ou morte!
Parabéns pelo trabalho!
Sou novo por aqui, mas já vi que serei habitué!

Juquinha disse...

Aliás, uma perguntinha de iniciante:
Esse pézinho na abertura é seu?

Juliana disse...

Oi Bruno, vc já assistiu "Três Vezes Amor"? Provavelmente não, pois anda muito ocupado com "Once" e sua teoria. "Três vezes"mostra que o amor pode acontecer de uma forma muito profunda e verdadeira com uma, duas ou mais pessoas durante a vida. (mas não ao mesmo tempo, que fique claro!)
Ou seja, contradiz totalmente a teoria de "Once", à qual vc tanto se apega. Além disso, tenta mostrar que essa história de predestinação não é tão verdade assim...
Talvez o filme não te toque tanto como "Once", mas fica uma sugestão que pode ajudá-lo a rever seus conceitos,ou, pelo menos,a ampliar seus horizontes.
Boa sorte!