5.11.08

O que Lula ensina sobre Obama

O clima de otimismo gerado pela eleição de um negro para a Casa Branca lembra um episódio da nossa recente história tupiniquim: a chegada de um torneiro mecânico ao Planalto. De novo, a esperança venceu o medo, como nunca antes na história deste planeta.

Não há como negar o simbolismo e a importância histórica do feito de Barack Hussein Obama. Mas, ao redor do mundo, o tom dos jornais de hoje, entre eles o New York Times, parece tão ingênuo como o que sucedeu a vitória de Lula aqui no Brasil.

Só que agora a coisa vem em proporções mundiais. A avó africana de Obama pulando enrolada na bandeira americana e contando que sacrificou algumas vacas para comemorar. Corta para Oprah Winfrey emocionadíssima em Chicago e pessoas se abraçando na Europa.

O Wall Street Journal disse que a vitória foi "épica". Nunca elegemos um negro, mas, como disse um amigo, não deixa de ser a "America" copiando o Brasil. Outro amigo jornalista brinca: é a supremacia do jazz, na Casa Branca e na Fórmula 1.

Tá, eu também achei bonito a outra avó do Obama ter votado pelo correio antes de morrer de câncer na véspera da eleição. Eu também me emocionei quando anunciaram a vitória e meus olhos se encheram d'água com a repetição em credo do "Yes, we can", que parece uma resposta, ainda que tardia,  ao "I have a dream".

É empolgante ver um negro chegar lá e, meu Deus, como é bom acreditar em algo! Acreditar que é possível, que tudo vai melhorar, que o mundo pode ser mais justo. É quase uma necessidade básica acreditar nesses ideais e nos esforçamos pra isso. 

O grande herói do dia é povo americano. O mundo duvidava que os americanos pudessem tanto. Tio Sam se superou e mandou às favas o maldito efeito Bradley. OK, mais uma página na história. Mas nada justifica achar que o mundo mudou completamente hoje.

Qual será a primeira decepção com Obama? Logo de cara, já herda duas guerras e a crise econômica internacional. Se um atentado em breve não o transformar em santo, resta somente esperar para ver onde o democrata vai falhar.

Hoje, porém, Barack Obama está coberto - e protegido - pelo manto do Salvador da Pátria. No caso dele, quase um cobertor de Salvador do Mundo. Será que vale a pena ver de novo essa novela?



Claro que Barack não tem nada de ingênuo; pois é, Luiz Inácio também não. Mas não se trata de dizer que Obama e Lula são parecidos _semelhante mesmo é o tipo de fé que depositamos neles.
 
Também não se trata de torcer contra nem de minimizar a conquista. Mas é que já aprendemos isso, não? A decepção com Lula deve ter nos ensinado algo! E os americanos estão prestes a ter essa mesma e duríssima lição.

Há muitos motivos para comemorar, sim, mas o ideal seria o mundo inteiro festejar mantendo os olhos bem abertos desde o início, sem deixar o sonho embaçar a vista.

É incrível como ainda não aprendemos a ver além da cor da pele. Envoltos no mais sutil dos preconceitos, nos enquecemos de que, antes de qualquer coisa, Obama é um homem. E os homens, todos eles, torneiros mecânicos ou não, erram.


Discurso de Barack Obama em Chicago, logo após o anúncio do resultado da eleição


If there is anyone out there who still doubts that America is a place where all things are possible; who still wonders if the dream of our founders is alive in our time; who still questions the power of our democracy, tonight is your answer.

It’s the answer told by lines that stretched around schools and churches in numbers this nation has never seen; by people who waited three hours and four hours, many for the very first time in their lives, because they believed that this time must be different; that their voice could be that difference.

It’s the answer spoken by young and old, rich and poor, Democrat and Republican, black, white, Latino, Asian, Native American, gay, straight, disabled and not disabled – Americans who sent a message to the world that we have never been a collection of Red States and Blue States: we are, and always will be, the United States of America.

It’s the answer that led those who have been told for so long by so many to be cynical, and fearful, and doubtful of what we can achieve to put their hands on the arc of history and bend it once more toward the hope of a better day.

It’s been a long time coming, but tonight, because of what we did on this day, in this election, at this defining moment, change has come to America.

I just received a very gracious call from Senator McCain. He fought long and hard in this campaign, and he’s fought even longer and harder for the country he loves. He has endured sacrifices for America that most of us cannot begin to imagine, and we are better off for the service rendered by this brave and selfless leader. I congratulate him and Governor Palin for all they have achieved, and I look forward to working with them to renew this nation’s promise in the months ahead.

I want to thank my partner in this journey, a man who campaigned from his heart and spoke for the men and women he grew up with on the streets of Scranton and rode with on that train home to Delaware, the Vice President-elect of the United States, Joe Biden.

I would not be standing here tonight without the unyielding support of my best friend for the last sixteen years, the rock of our family and the love of my life, our nation’s next First Lady, Michelle Obama. Sasha and Malia, I love you both so much, and you have earned the new puppy that’s coming with us to the White House. And while she’s no longer with us, I know my grandmother is watching, along with the family that made me who I am. I miss them tonight, and know that my debt to them is beyond measure.

To my campaign manager David Plouffe, my chief strategist David Axelrod, and the best campaign team ever assembled in the history of politics – you made this happen, and I am forever grateful for what you’ve sacrificed to get it done.

But above all, I will never forget who this victory truly belongs to – it belongs to you.

I was never the likeliest candidate for this office. We didn’t start with much money or many endorsements. Our campaign was not hatched in the halls of Washington – it began in the backyards of Des Moines and the living rooms of Concord and the front porches of Charleston.

It was built by working men and women who dug into what little savings they had to give five dollars and ten dollars and twenty dollars to this cause. It grew strength from the young people who rejected the myth of their generation’s apathy; who left their homes and their families for jobs that offered little pay and less sleep; from the not-so-young people who braved the bitter cold and scorching heat to knock on the doors of perfect strangers; from the millions of Americans who volunteered, and organized, and proved that more than two centuries later, a government of the people, by the people and for the people has not perished from this Earth. This is your victory.

I know you didn’t do this just to win an election and I know you didn’t do it for me. You did it because you understand the enormity of the task that lies ahead. For even as we celebrate tonight, we know the challenges that tomorrow will bring are the greatest of our lifetime – two wars, a planet in peril, the worst financial crisis in a century. Even as we stand here tonight, we know there are brave Americans waking up in the deserts of Iraq and the mountains of Afghanistan to risk their lives for us. There are mothers and fathers who will lie awake after their children fall asleep and wonder how they’ll make the mortgage, or pay their doctor’s bills, or save enough for college. There is new energy to harness and new jobs to be created; new schools to build and threats to meet and alliances to repair.

The road ahead will be long. Our climb will be steep. We may not get there in one year or even one term, but America – I have never been more hopeful than I am tonight that we will get there. I promise you – we as a people will get there.

There will be setbacks and false starts. There are many who won’t agree with every decision or policy I make as President, and we know that government can’t solve every problem. But I will always be honest with you about the challenges we face. I will listen to you, especially when we disagree. And above all, I will ask you join in the work of remaking this nation the only way it’s been done in America for two-hundred and twenty-one years – block by block, brick by brick, calloused hand by calloused hand.

What began twenty-one months ago in the depths of winter must not end on this autumn night. This victory alone is not the change we seek – it is only the chance for us to make that change. And that cannot happen if we go back to the way things were. It cannot happen without you.

So let us summon a new spirit of patriotism; of service and responsibility where each of us resolves to pitch in and work harder and look after not only ourselves, but each other. Let us remember that if this financial crisis taught us anything, it’s that we cannot have a thriving Wall Street while Main Street suffers – in this country, we rise or fall as one nation; as one people.

Let us resist the temptation to fall back on the same partisanship and pettiness and immaturity that has poisoned our politics for so long. Let us remember that it was a man from this state who first carried the banner of the Republican Party to the White House – a party founded on the values of self-reliance, individual liberty, and national unity. Those are values we all share, and while the Democratic Party has won a great victory tonight, we do so with a measure of humility and determination to heal the divides that have held back our progress. As Lincoln said to a nation far more divided than ours, “We are not enemies, but friends…though passion may have strained it must not break our bonds of affection.” And to those Americans whose support I have yet to earn – I may not have won your vote, but I hear your voices, I need your help, and I will be your President too.

And to all those watching tonight from beyond our shores, from parliaments and palaces to those who are huddled around radios in the forgotten corners of our world – our stories are singular, but our destiny is shared, and a new dawn of American leadership is at hand. To those who would tear this world down – we will defeat you. To those who seek peace and security – we support you. And to all those who have wondered if America’s beacon still burns as bright – tonight we proved once more that the true strength of our nation comes not from our the might of our arms or the scale of our wealth, but from the enduring power of our ideals: democracy, liberty, opportunity, and unyielding hope.

For that is the true genius of America – that America can change. Our union can be perfected. And what we have already achieved gives us hope for what we can and must achieve tomorrow.

This election had many firsts and many stories that will be told for generations. But one that’s on my mind tonight is about a woman who cast her ballot in Atlanta. She’s a lot like the millions of others who stood in line to make their voice heard in this election except for one thing – Ann Nixon Cooper is 106 years old.

She was born just a generation past slavery; a time when there were no cars on the road or planes in the sky; when someone like her couldn’t vote for two reasons – because she was a woman and because of the color of her skin.

And tonight, I think about all that she’s seen throughout her century in America – the heartache and the hope; the struggle and the progress; the times we were told that we can’t, and the people who pressed on with that American creed: Yes we can.

At a time when women’s voices were silenced and their hopes dismissed, she lived to see them stand up and speak out and reach for the ballot. Yes we can.

When there was despair in the dust bowl and depression across the land, she saw a nation conquer fear itself with a New Deal, new jobs and a new sense of common purpose. Yes we can.

When the bombs fell on our harbor and tyranny threatened the world, she was there to witness a generation rise to greatness and a democracy was saved. Yes we can.

She was there for the buses in Montgomery, the hoses in Birmingham, a bridge in Selma, and a preacher from Atlanta who told a people that “We Shall Overcome.” Yes we can.

A man touched down on the moon, a wall came down in Berlin, a world was connected by our own science and imagination. And this year, in this election, she touched her finger to a screen, and cast her vote, because after 106 years in America, through the best of times and the darkest of hours, she knows how America can change. Yes we can.

America, we have come so far. We have seen so much. But there is so much more to do. So tonight, let us ask ourselves – if our children should live to see the next century; if my daughters should be so lucky to live as long as Ann Nixon Cooper, what change will they see? What progress will we have made?

This is our chance to answer that call. This is our moment. This is our time – to put our people back to work and open doors of opportunity for our kids; to restore prosperity and promote the cause of peace; to reclaim the American Dream and reaffirm that fundamental truth – that out of many, we are one; that while we breathe, we hope, and where we are met with cynicism, and doubt, and those who tell us that we can’t, we will respond with that timeless creed that sums up the spirit of a people:

Yes We Can. Thank you, God bless you, and may God Bless the United States of America.

Chicago, November 5th.

















  

 

 Discurso de Lula em São Paulo, logo após o anúncio do resultado das eleições em 2002 



Ontem, o Brasil votou para mudar. A esperança venceu o medo e o eleitorado decidiu por um novo caminho para o país. Foi um belo espetáculo democrático que demos ao mundo. Um dos maiores povos do planeta resolveu, de modo pacífico e tranqüilo, traçar um rumo diferente para si.

As eleições que acabamos de realizar foram, acima de tudo, uma vitória da sociedade brasileira e de suas instituições democráticas, uma vez que elas trouxeram a alternância no poder, sem a qual a democracia perde a sua essência. 

Tivemos um processo eleitoral de excelente qualidade, no qual os cidadãos e as cidadãs exigiram e obtiveram um debate limpo, franco e qualificado sobre os desafios imediatos e históricos do nosso país. Contribuíram para isso a atitude da justiça eleitoral e do presidente da República, que cumpriram de maneira equilibrada o seu papel constitucional. 

A grande virtude da democracia é que ela permite ao povo mudar de horizonte quando ele acha necessário. A nossa vitória significa a escolha de um projeto alternativo e o início de um novo ciclo histórico para o Brasil. 

A nossa chegada à Presidência da República é fruto de um vasto esforço coletivo, realizado, ao longo de décadas, por inúmeros democratas e lutadores sociais. Muitos dos quais, infelizmente, não puderam ver a sociedade brasileira, e em especial as camadas oprimidas, colherem os frutos de seu árduo trabalho, de sua dedicação e sacrifício militante.

Estejam onde estiverem, os companheiros e as companheiras que a morte colheu antes desta hora, saibam que somos herdeiros e portadores do seu legado de dignidade humana, de integridade pessoal, de amor pelo Brasil, e de paixão pela justiça. Saibam que a obra de vocês segue conosco, como se vivos estivessem, e é fonte de inspiração para nós que seguimos travando o bom combate. O combate em favor dos excluídos e dos discriminados. O combate em favor dos desamparados, dos humilhados e dos ofendidos.

Quero homenagear aqui os militantes anônimos. Aqueles que deram seu trabalho e dedicação, ao longo de todos esses anos, para que chegássemos aonde chegamos. Nas mais longínquas regiões do país, eles jamais esmoreceram. Aprenderam, como eu, com as derrotas. Tornaram-se mais competentes e eficazes na defesa de um país soberano e justo. 

Celebro hoje aqueles que, nos momentos difíceis do passado, quando a nossa causa de um país justo e solidário parecia inviável, não caíram na tentação da indiferença, não cederam ao egoísmo e ao individualismo exacerbado. Todos aqueles que conservaram intacta a sua capacidade de indignar-se perante o sofrimento alheio. Souberam resistir, mantendo acesa a chama da solidariedade social. Todos aqueles que não desertaram do nosso sonho, que às vezes sozinhos nas praças deste imenso Brasil ergueram bem alto a bandeira estrelada da esperança.

Mas esta vitória é, sobretudo, de milhares, quem sabe milhões, de pessoas sem filiação partidária que se engajaram nessa causa. É uma conquista das classes populares, das classes médias, de parcelas importantes do empresariado, dos movimentos sociais e das entidades sindicais que compreenderam a necessidade de combater a pobreza e defender o interesse nacional.

Para alcançar o resultado de ontem, foi fundamental que o PT, um partido de esquerda, tenha sabido construir uma ampla aliança com outras forças partidárias. O PL, o PCdoB, o PMN e o PCB deram uma contribuição inestimável desde o primeiro turno. A eles, vieram somar-se, no segundo turno, o PSB, o PPS, o PDT, o PV, o PTB, o PHS, o PSDC e o PGT. Além disso, ao longo da campanha, contamos com o apoio de setores importantes de outros partidos identificados com o nosso programa de mudanças para o Brasil. Em especial, quero destacar o apoio dos ex-presidentes José Sarney e Itamar Franco e, no segundo turno, o precioso apoio que recebi de Anthony Garotinho e Ciro Gomes. 

Não há dúvida de que a maioria da sociedade votou pela adoção de outro ideal de país, em que todos tenham os seus direitos básicos assegurados. A maioria da sociedade brasileira votou pela adoção de outro modelo econômico e social, capaz de assegurar a retomada do crescimento, do desenvolvimento econômico com geração de emprego e distribuição de renda.

O povo brasileiro sabe, entretanto, que aquilo que se desfez ou se deixou de fazer na última década não pode ser resolvido num passe de mágica. Assim como carências históricas da população trabalhadora não podem ser superadas da noite para o dia. Não há solução milagrosa para tamanha dívida social, agravada no último período. Mas é possível e necessário começar, desde o primeiro dia de governo. 

Vamos enfrentar a atual vulnerabilidade externa da economia brasileira fator crucial na turbulência financeira dos últimos meses de forma segura. Como dissemos na campanha, nosso governo vai honrar os contratos estabelecidos pelo governo, não vai descuidar do controle da inflação e manterá como sempre ocorreu nos governos do PT uma postura de responsabilidade fiscal. Essa é a razão para dizer com clareza a todos os brasileiros: a dura travessia que o Brasil estará enfrentando exigirá austeridade no uso do dinheiro público e combate implacável à corrupção. 

Mas mesmo com as restrições orçamentárias, impostas pela difícil situação financeira que vamos herdar, estamos convencidos que, desde o primeiro dia da nova gestão, é possível agir com criatividade e determinação na área social. Vamos aplacar a fome, gerar empregos, atacar o crime, combater a corrupção e criar melhores condições de estudo para a população de baixa renda desde o momento inicial de meu governo. 

Meu primeiro ano de mandato terá o selo do combate à fome. Um apelo à solidariedade para com os brasileiros que não têm o que comer. Para tanto, anuncio a criação de uma Secretaria de Emergência Social, com verbas e poderes para iniciar, já em janeiro, o combate ao flagelo da fome. Estou seguro de que esse é, hoje, o clamor mais forte do conjunto da sociedade. Se ao final do meu mandato, cada brasileiro puder se alimentar três vezes ao dia, terei realizado a missão de minha vida.

Como disse ao lançar meu Programa de Governo, gerar empregos será minha obsessão. Para tanto, vamos mobilizar imediatamente os recursos públicos disponíveis nos bancos oficiais e nas parcerias com a iniciativa privada para a ativação do setor da construção civil e das obras de saneamento. Além de gerar empregos, tal medida ajudará à retomada gradual do crescimento sustentado.

O país tem acompanhado com preocupação a crise financeira internacional e suas implicações na situação brasileira. Em especial, a instabilidade na taxa de câmbio e a pressão inflacionária dela decorrente. 

Porém, com toda a adversidade internacional, estamos com superávit comercial de mais de 10 bilhões de dólares neste ano. Resultado que pode ser ampliado já em 2003 com uma política ofensiva de exportações, incorporando mais valor agregado aos nossos produtos, aprofundando a competitividade da nossa economia, bem como promovendo uma criteriosa política de substituição competitiva de importações. 

O Brasil fará a sua parte para superar a crise, mas é essencial que além do apoio de organismos multilaterais, como o FMI, o BID e o BIRD, se restabeleçam as linhas de financiamento para as empresas e para o comércio internacional. Igualmente relevante é avançar nas negociações comerciais internacionais, nas quais os países ricos efetivamente retirem as barreiras protecionistas e os subsídios que penalizam as nossas exportações, principalmente na agricultura.

Nos últimos três anos, com o fim da âncora cambial, aumentamos em mais de 20 milhões de toneladas a nossa safra agrícola. Temos imenso potencial nesse setor para desencadear um amplo programa de combate à fome e exportarmos alimentos que continuam encontrando no protecionismo injusto das grandes potências econômicas um obstáculo que não pouparemos esforços para remover.

O trabalho é o caminho de nosso desenvolvimento, da superação dessa herança histórica de desigualdade e exclusão social. Queremos constituir um amplo mercado de consumo de massas que dê segurança aos investimentos das empresas, atraia investimentos produtivos internacionais e represente um novo modelo de desenvolvimento e compatibilize distribuição de renda e crescimento econômico. 

A construção dessa nova perspectiva de crescimento sustentado e de geração de emprego exigirá a ampliação e o barateamento do crédito, o fomento ao mercado de capitais e um cuidadoso investimento em ciência e tecnologia. Exigirá também uma inversão de prioridades no financiamento e no gasto público, valorizando a agricultura familiar, o cooperativismo, as micro e pequenas empresas e as diversas formas de economia solidária. 

O Congresso Nacional tem uma imensa responsabilidade na construção dessas mudanças que irão promover a inclusão social e o crescimento sustentado. Por isso, estarei pessoalmente empenhado em encaminhar para o Congresso as grandes reformas que a sociedade reclama: a reforma da previdência social, a reforma tributária, a reforma da legislação trabalhista e da estrutura sindical, a reforma agrária e a reforma política. 

O mundo está atento a esta demonstração espetacular de democracia e participação popular ocorrida na eleição de ontem. É uma boa hora para reafirmar um compromisso de defesa corajosa de nossa soberania regional. E o faremos buscando construir uma cultura de paz entre as nações, aprofundando a integração econômica e comercial entre os países, resgatando e ampliando o Mercosul como instrumento de integração nacional e implementando uma negociação soberana frente à proposta da ALCA. Vamos fomentar os acordos comerciais bilaterais e lutar para que uma nova ordem econômica internacional diminua as injustiças, a distância crescente entre países ricos e pobres, bem como a instabilidade financeira internacional que tantos prejuízos tem imposto aos países em desenvolvimento.

Nosso governo será um guardião da Amazônia e da sua biodiversidade. Nosso programa de desenvolvimento, em especial para essa região, será marcada pela responsabilidade ambiental. 
Queremos impulsionar todas as formas de integração da América Latina que fortaleçam a nossa identidade histórica, social e cultural. Particularmente relevante é buscar parcerias que permitam um combate implacável ao narcotráfico que alicia uma parte da juventude e alimenta o crime organizado.

Nosso governo respeitará e procurará fortalecer os organismos internacionais, em particular a ONU e os acordos internacionais relevantes, como o protocolo de Kyoto, e o Tribunal Penal Internacional, bem como os acordos de não proliferação de armas nucleares e químicas. Estimularemos a idéia de uma globalização solidária e humanista, na qual os povos dos países pobres possam reverter essa estrutura internacional injusta e excludente.

Não vou decepcionar o povo brasileiro. A manifestação que brotou ontem do fundo da alma dos meus compatriotas será a minha a inspiração e a minha bússola. Serei, a partir de 1º de janeiro, o presidente de todos os brasileiros e brasileiras, porque sei que é isso que esperam os eleitores que me confiaram o seu voto.

Vivemos um momento decisivo e único para as mudanças que todos desejamos. Elas virão sem surpresas e sobressaltos. Meu governo terá a marca do entendimento e da negociação. Da firmeza e da paciência. Temos plena consciência que a grandeza dessa tarefa supera os limites de um partido. Esse foi o sentido do esforço que fizemos desde a campanha para reunir sindicalistas, ONGs e empresários de todos os segmentos numa ação comum pelo país.

Continuaremos a ter atuação decidida no sentido de unir as diversas forças políticas e sociais para construir uma nação que beneficie o conjunto do povo. Vamos promover um Pacto Nacional pelo Brasil, formalizar o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, e escolher os melhores quadros do Brasil para fazer parte de um governo amplo, que permita iniciar o resgate das dívidas sociais seculares. Isso não se fará sem a ativa participação de todas as forças vivas do Brasil, trabalhadores e empresários, homens e mulheres de bem.

Meu coração bate forte. Sei que estou sintonizado com a esperança de milhões e milhões de outros corações. Estou otimista. Sinto que um novo Brasil está nascendo. 

São Paulo, 28 de outubro de 2002"

 

 Com agradecimento especial ao Rafael
 

21.10.08

A voz do morro

"Eu sou o samba..." Calma, calma, não é verso de Zé Keti - é discurso de político. 

Enquanto os candidatos à prefeitura de São Paulo discutem o passado (administrativo e sexual) um do outro, aqui no Rio algo bem mais importante é saber quem está com o samba.

Propaganda de Fernando Gabeira, cujo jingle aparece nas versões rap ou pagode, mostra a marrom Alcione. "O mundo do samba está com Gabeira!", diz a cantora. 

A campanha do outro candidato, Eduardo Paes, discorda. Mostra Nelson Sargento, Dudu Nobre, Dicró, Delcio Carvalho, Noca da Portela e Tia Doca. E o jingle do peemedebista é cantado por Preto Jóia, puxador de samba.

Músico por músico, a propaganda de Gabeira tem Caetano Veloso, Adriana Calcanhotto, Paula Toller, Fernanda Abreu, Moraes Moreira, Luiz Melodia, João Bosco, Paulinho Moska, Frejat, Edson Cordeiro... tem até MC Marcinho. E também duas divas da delicadeza do samba: Teresa Cristina e Mart'nália. De novo, lembro: Hollywood é aqui. É tanta nota e tanto timbre que, no fim, a surpresa maior não vai ser quem vai ganhar o segundo turno; o que todo mundo quer saber é qual candidato vai lançar o melhor CD.

O apoio do "samba" se tornou muito mais importante depois da escorregada de Gabeira, que disse em uma conversa ao telefone que foi ouvida por jornalistas que uma vereadora tucana campeã de votos no Rio tinha uma "visão suburbana" sobre um determinado tema.

O candidato pediu desculpas públicas à vereadora, mas reclamou sobretudo de invasão de privacidade. Ficou chovendo no molhado. O nome disso, meu caro, é interesse público. O importante é saber o que o candidato é de verdade e não conhecer somente o personagem que ele quer interpretar.

Paes, de seu lado, igualmente filhote da zona sul, aproveitou o deslize para se mostrar como representante da periferia. Raciocínio simples: se o outro falou mal de você, vote em mim, mesmo que eu não faça nada de bom pra você. "Suburbano com orgulho vota Paes." A idéia é colar de vez em Gabeira o rótulo de preconceituoso e pouco conhecedor das áreas menos favorecidas da Cidade Maravilhosa. 

Gabeira reage com a voz mole que lembra Ronaldo Ésper. Fala de campanha limpa, sem ataques, sem "dividir o Rio". Seu jingle agora cita com destaque bairros da zona norte e da zona oeste carioca. Andaraí! Grajaú! Bangu!

A campanha do PV também mostra Fernanda Abreu criticando a rixa histórica existente entre o morro e o asfalto e pintando um Gabeira conciliador e contra o preconceito. 

Ocorre que a busca pelos sambistas na reta final da campanha não passa de puro preconceito. O samba, que fala no coração do povo, vira a língua dos candidatos e do marqueteiros da zona sul, área nobre da cidade, para conversar com o subúrbio. É como se alguém tirasse da manga a última carta para ser compreendido pela boiada. "É, vamos ter de apelar para o samba!"  

O samba, voz legítima do morro, transvestido de voz para falar com o morro, fica forçado, perde o charme. É a mesma falsidade do candidato que toma um cafezinho a cada esquina e a mesma falta de limite que leva o político a perder a noção de tudo, chegando ao extremo de cumprimentar até manequim de loja, como fez a paulistana Marta. 

Sempre achei ridículo usar símbolos nacionais e regionais para angariar a simpatia do eleitor. FHC, por exemplo, comeu buchada de bode e montou um jegue em 94, quem não se lembra? Geraldo Alckmin, em 2006, repetiu o gesto: comeu buchada e montou um jegue na Paraíba. Depois, se disse "chicleteiro". Estava onde? Na Bahia, claro. 

Deus do céu, tudo tão forçado! Alguém imagina Alckmin pulando atrás do trio elétrico?

Fico pensando como fica a cabeça de quem mora na zona norte do Rio, é chamado de "paraíba" e tem, sim, sua escola de samba como a coisa mais importante do mundo.

Quando vejo Gabeira e Paes tentando se aproximar do "povo" com o intermédio dos sambistas, o que me vem à mente é a constrangedora imagem do Príncipe Charles, da Inglaterra, tentando sambar em sua visita ao Brasil.


Diga-me com quem sambas e te direi quem és.



7.10.08

Hollywood é aqui

No Rio, todo mundo sonha ser artista. Ou, pior ainda, todo mundo se diz artista. Todo mundo representa, desfila, canta, dança, pinta, toca alguma coisa... ou até mesmo escreve. Faz parte, digamos, da alma da cidade. É preciso ter algum talento, senão você não é ninguém.

Nesse departamento, todo mundo se empenha. Ô, povo esforçado! Mas o objetivo é nobre: a idéia é se esforçar agora para ganhar fama e depois nunca mais precisar fazer nada na vida.

Claro que todo esse movimento se concentra em buscar a estradinha de tijolos dourados _mas, de preferência, a estradinha que corta caminho, aquela que leva ao atalho para o caminho mais fácil. Pouco do tempo dedicado à "carreira" é efetivamente gasto com os estudos. 

Para tirar a prova, basta uma conversa de cinco minutos! Entre tantos que se dizem atores, poucos se preparam como deveriam. Poucos saberiam responder a perguntas simples relacionadas à sua tão amada arte, como o que diabos foi o teatro elisabetano, por exemplo.

 

Bom, uma coisa é verdade: ninguém é obrigado a ter talento e, aliás, triste realidade, a maioria não tem mesmo. Mas... e então? Como sobreviver nessa selva hollywoodiana sem isso?

Pois bem, você pode até não ter nenhum talento, mas aí se torna obrigatório ser o melhor amigo de alguma celebridade. Sim, pode ser até uma celebridade instantânea. Uma celebridade B, que seja. Tá, ex-BBB também serve (é três vezes B, não é?). Dessa maneira, seguindo bem a receita, todas as portas estarão abertas pra você. Sempre haverá sorrisos.

Não se engane, meu caro, Hollywood é aqui! Sim, no Rio. Há um famoso em cada esquina. Por isso deslumbrar-se é muito fácil. Bem mais fácil que trabalhar oito horas por dia.

Na cidade-sede da Corte, o que vale é ser nobre. Isso, no mundo moderno, significa aparecer na TV e nas revistas de fofoca, seja porque você é imortal da Academia Brasileira de Letras, modelo/ator, empresário que namora modelos/atrizes, seja porque você é jogador de futebol ou travesti que fez escândalo com jogador de futebol. Mas, se não rolar tanta nobreza, o jeito é mesmo se tornar "amigo do rei". Explico: fazer de alguém da listinha anterior o seu amigo número um, inseparável, companheiro até de biriba.

Essa relação é importantíssima: pode custar a sua vida! Ser amigo do rei, em cada contexto, será fundamental na hora de ir à uma festa, tomar um chope, conseguir um protocolo, concluir um projeto no trabalho, receber atendimento médico decente ou obter informações de uma assessoria de imprensa.

Portanto, o mais importante é fazer tudo que estiver ao alcance para se aproximar de um VIP.




Tomemos as boates como exemplo. Todas elas têm listas VIP abarrotadas. Quase todo mundo é VIP e entra de graça. Se não é VIP, está na chamada "lista amiga" e recebe desconto. Nessa todo mundo pode estar, basta enviar um e-mail. É um jeito de, ao menos, sentir-se amigo do rei. Do lado de fora, que piada, a fila VIP muitas vezes é maior que a da clientela que paga pra entrar.

E nos teatros? Divida a platéia entre pagantes e não-pagantes, e a surpresa será geral. Boa parte será de convidados: amigos dos atores, do diretor, do autor, do produtor, do iluminador, do faxineiro da coxia... Como é que o espetáculo se paga ninguém sabe, mas pelo menos fica garantida a claque. Palmas, palmas, mesmo que o ator seja ruim! O show não pode parar.

Por essas e por outras a economia do Rio não vai pra frente. São muitos amigos a atender, numa cidade em que todas as engrenagens são movidas dessa maneira, na camaradagem. Reclame de um mau atendimento e vai receber em troca uma porta na cara. Mas experimente levar a incompetência alheia numa boa, não se estressar e criar uma maneira inteligente de o outro achar que pode se dar muito mal se não fizer exatamente o que você deseja... e milagrosamente serão abertas as portas da esperança!

Não que eu torça contra o Rio, longe de mim! E quem já leu outros textos deste blog sabe bem como eu amo essa cidade. Além disso não vamos generalizar, essa é apenas a minha percepção. Também vale dizer que não estou dizendo que a cidade está cheia de preguiçosos. Claro que não! A cidade só está cheia de gente muito mais esperta do que você e eu!

O fato incontestável é que são regras muito particulares as que regem os comportamentos na Cidade Maravilhosa. Regras muitas vezes difíceis de engolir para um mineiro ex-paulistano. São valores distorcidos que existem por todo o país, mas que, no Rio, parecem mais perceptíveis, mais desinibidos e escancarados, são mais sonoros e têm cores mais vibrantes! O melhor e o pior do Brasil, direto da lata.

Em meio à crise financeira internacional, um amigo me pergunta: o que vai acabar primeiro, o Rio de Janeiro ou o capitalismo?

Estou certo de que o Rio, lindo que só ele, acaba primeiro. Infelizmente.

Hollywood. Holliday. Holly Estácio.




10.8.08

Iraci é a maior piranha do bairro


Tirei dinheiro do caixa eletrônico e assim me chegou a informação, escrita em uma nota de R$ 10 (com arara e tudo): "Iraci é a maior piranha do Bairro S. Sebastião."

A nota saiu do caixa exatamente assim (foto), mensagem viradinha pra mim. Oferecidíssima.

Claro que dei risada no primeiro momento. Olhei ao redor pra ver se alguém compartilhava do meu sorriso, mas não, a fila do caixa queria andar. E a fila andou.

Iraci, pobre Iraci. Que mal deve ter feito para merecer tamanha afronta?

"Não deve ser uma piranha qualquer", me disse um conhecido. Não deve ser mesmo, fiquei pensando, pois pra estar em uma nota de dez reais é preciso mesmo muita animação. É preciso disposição para passar pelas mãos de todo mundo! Agüentar o movimento de uma nota de cem é fácil, quero ver é manter o rebolado mudando de mão de cinco em cinco minutos.

Tentei passá-la adiante logo nos primeiros dias, mas a idéia de fotografar a nota e escrever uma besteira qualquer sobre ela me fez ter certos cuidados. Ela ficava num cantinho específico do bolso, para que eu não cometesse o lamentável engano de trocá-la por uma guloseima sem importância.

Duas ou três vezes me peguei no pulo, prestes a entregá-la de mão beijada, mas felizmente me dei conta e pude evitar o pior. Uma vez saí de casa de madrugada para sacar dinheiro só para não ter de me separar dela. Iraci havia se apegado a mim. Ou eu a ela.

Coisa de adolescente se apaixonar por piranha. Não que eu já tenha provado; a verdade é que sexo pago é contra os meus princípios, não os da ética, mas os do tesão mesmo. Boa parte da delícia da transa está justamente em a outra pessoa QUERER estar com você! É por isso que acho que pagar por sexo é a coisa mais sem graça do mundo _ainda mais num mundo em que sexo gostoso e voluntário não é propriamente difícil de encontrar.

Enfim, mas a Iraci, claro, não deve ser uma puta profissional. Bom, pode até ser, na acepção paulistana, em que uma médica, dentista ou advogada pode ser uma puta profissional. É que simplesmente não faria sentido jogar na lama (ou no dinheiro, que é bem mais sujo que a lama) o nome de alguém que fosse prostituta de verdade.

A história me cheira a injúria das mais baixas, injúria mesmo, só pra ofender, sem exceção da verdade, seja ela mulher fácil ou não. Mas não façamos juízo de valor.

Fico pensando se foi coisa de homem. O cara foi lá, comeu a gostosa da Iraci, bebeu umas biritas e mandou essa. Ou de marido corno, traído pela mesma Iraci que julgava pacata, a quem jurou fidelidade eterna e, bom, teve aquela vez depois do expediente, mas isso não vem ao caso e não justifica a vadia sair por aí dando pra todo mundo. Ainda mais pintada de carmim!

Se bem que pode ter sido coisa de mulher. De vizinha invejosa. Da mulher que se revolta contra a amante fogosa do marido: "Ela vai ver só, eu boto aqui o nome dessa sem-vergonha, e todo mundo vai saber". Só que, além de ser feio danificar nosso querido Real, se a idéia é prejudicar alguém, deve ser mais útil amarrar o nome da figura na boca do sapo.

É que, depois de circular e circular, o bairro São Sebastião ficou pequeno pra ela. No Jardim Botânico, Rio de Janeiro, onde ela veio toda saidinha pro meu lado, ninguém saberia medir sua fama. Ela era apenas mais uma. E, sendo assim, a ofensa perde o sentido.

Na nota, Iraci ganhou a liberdade que talvez não tivesse na vidinha besta de todo dia. Ganhou o mundo, viajou pelas mãos de homens (e mulheres, por que não?) de diferentes classes e estilos. A própria mensagem dá conta dessa limitação. Ela é sim, a maior das piranhas, mas do bairro, daquele contexto fechado. Na nota, não, ela passou a poder ser a piranha de todo mundo!

Vale dizer que o bairro São Sebastião pode nem ser no Rio! A Iraci pode ter viajado, toda faceira, de Porto Alegre para cá. Ou quem sabe de Cuiabá. De Maceió, talvez. Anápolis (GO), Criciúma (SC), Poços de Caldas (MG) também possuem bairros com esse nome. Isso pra ficarmos só nas primeiras páginas da busca do Google.

Não chego ao nível de loucura de sugerir que Iraci deva estar agradecida por estar tão livre e viajada. Até porque quem pretendia ofender a honra da moça julgou que ela só valia isso, dez reais, o que, hoje em dia, é o mesmo que nada. O que é que se compra com dez reais? Bom, no máximo uma Iraci e olhe lá.

Isso me leva a um questionamento pouco oportuno: por onde andam as notas de dez reais de plástico? Está cada vez mais raro dar de cara com uma. Vai ver é mais fácil a Iraci ir parar aí na sua mão que você receber outra vez aquela estranha nota de plástico.

Pois outro dia peguei um táxi com um sujeito falastrão, que veio me contando todo o tempo sobre suas aventuras sexuais. Mas o que trouxe verossimilhança aos "causos" foi justamente o taxista admitir que, no ponto (de táxi) a que pertencia, ele tinha a vida sexual mais monótona. Meio do trajeto, e toca o celular do motorista. Ele atende e solta uma gargalhada. Do outro lado da linha, assim me relatou o taxista em seguida, estava um colega de praça que tinha terminado uma corrida mais precisamente na cama da cliente.

Para explicar o episódio, o taxista soltou um discurso, digamos, praticamente feminista:

- É uma dessas peruas da Barra da Tijuca, cheia da nota. E casada! O marido só pensa em trabalhar, trabalhar. Enche os burros de dinheiro, mas não comparece. E a mulher tá certa. Tem que dar mesmo. Trepar é bom. Por que é que ela vai se privar? Gente, mulher também tem direito de gozar. E a mulherada tá fazendo o quê? Tá dando!

Achei que ele merecia a Iraci. Paguei com ela o táxi.

E Iraci, cada vez mais rodada, seguiu seu destino.

13.5.08

Duas caras

Não quero falar da novela das oito da TV Globo em que a mocinha pode terminar aos beijos com o vilão, por mais intrigante que isso possa parecer.

Também não quero falar de falsidade. Dizer que o mundo está cheio de gente falsa é puro clichê, isso todo mundo sabe. A parte digna de nota é justamente o oposto: a parcela verdadeiríssima de nós mesmos.

A maior das verdades é que ninguém é uma coisa só o tempo todo. Graças a Deus somos personagens redondos, complexos, com duas, três, duzentas facetas diferentes.

Isso faz cair por terra o conceito mais básico de falsidade, deixa o seriado de nossas vidas mil vezes mais interessante e tem o maravilhoso efeito colateral de impedir que você desenvolva ódio mortal por qualquer outro ser vivo. É sempre possível pensar que a pessoa está sendo fiel ao que ela sente e pensa _naquele momento.

Seria muito descaramento da minha parte exigir de qualquer um que fosse um nível de certeza e discernimento que eu próprio nunca demonstrei na minha vida.

É como querer um dia queijo branco e no outro queijo amarelo. É como achar que encontrou o amor da sua vida e descobrir que não, que era só mais um engano. Dá pra ter raiva de alguém que sinceramente tentou e que descobriu que não estava lá a sua felicidade?

É como se recusar a crer que boa parte do que chamamos de cereja não passa de mamão.

Tudo tem pelo menos dois lados, duas caras, duas faces da mesma monedita.

- Una monedita, por favor...

O apelo melódico e melancólico é do mendigo boliviano (ou argentino, ou paraguaio, ou...), mas a verdade é que o desejo nunca é realmente de apenas uma única moeda. Bem, se o mendigo for espanhol, pode até ser, no máximo, de uma moeda única.

Uma amiga, no Ceará, tirou do bolso uma moeda e a entregou a um velhinho que se aproximou dela e de uma colega. O velhinho _sujo e quase maltrapilho_ não era mendigo, era o avô da colega.

Na Índia, uma menina nasceu com duas caras. Duas faces. Quatro olhos (que piscam juntos), dois narizes, duas bocas. E o mais interessante é que, ao invés de ser tratada como aberração, de sofrer preconceito, de ser rejeitada pelas pessoas, a bebezinha é venerada como deusa!

As pessoas acreditam que tocá-la traz boa sorte e que a menina é uma bênção, um milagre, a reencarnação de um espírito de luz. Parece nem passar pela cabeça de ninguém que a menina seja deficiente.

Mas o mais curioso nem é isso. O melhor de tudo é que a mãe esconde o próprio rosto e exibe o da filha! Veja.



Não quero fazer um post cabeça com moral da história ao estilo "respeite as diferenças". Também não quero adotar o discurso de que tudo tem um lado bom. Longe de mim abraçar uma causa Polyanna! Nada disso. Mas essa notícia me fez pensar que tudo na vida permite pelo menos um olhar a mais. Uma perspectivazinha diferente que seja.

O texto veio logo na cabeça, mas não escrevi antes porque estava ocupado em sofrer um pouco. Lamentar meus erros. Lamentar ser tão intenso às vezes. Faz parte.

No fim, concluí, de novo, outra vez e uma vez mais, que não há como não ser intenso em todos os sentidos. Não há por que não ser! Na pior das hipóteses, creio eu, isso facilita as coisas e agiliza processos e desencontros que já estavam fadados a ocorrer e que, no máximo, poderiam levar alguns dias a mais para tomarem corpo. Sigo duvidando de que faria alguma diferença no final.

Mas é óbvio que deve existir uma maneira completamente diferente (talvez oposta pelo vértice) de enxergar tudo isso. Um jeito antagônico de ver essa mesmíssima coisa.

Na escola, oitava série, uma colega de classe ganhou da professora sem nenhuma didática o "Troféu Tijolo" (que era concedido aos asnos de plantão) por ter dito a seguinte "asneira" ao responder a uma pergunta durante uma apresentação à turma: "É exatamente a mesma coisa, só que tem uma diferença."

Não era asneira coisíssima nenhuma. Ela era uma visionária. E ainda levou o troféu.

26.4.08

Apenas uma vez (muitas vezes)

Para quem pensa que estou obcecado pela trilha de "Once", o filme, devo dizer que, sim, é a mais pura verdade. O primeiro passo para a cura é a aceitação _mesmo que eu não queira propriamente me curar de coisíssima nenhuma.

Quero provar, porém, que não estou sozinho. Assim como no caso da dengue, o principal alvo dessa epidemia parece ser as crianças.

Um, draminha básico:



Dois, charme e estilo:



Três, viva o falsete:



Quatro, sem medo de ser feliz:



Cinco, dupla personalidade:



E eu nunca neguei que sou somente uma criança grande.

25.4.08

As perguntas para as suas respostas

Trilha sonora sugerida para este post:



Será que eu posso enfrentar esse seu outro amor? (1)

Posso lutar contra ele? Será que posso amar outra vez? (2)

Por que minhas pernas tremem quando penso em você? Por que sonho com seu sexo de novo? Por que me enlouquece saber que há marcas de outro no seu corpo? (3)

Por que ainda me surpreendo comigo mesmo? Por que tenho tanto a dizer? Por que insisto em dizer tanta coisa, se já está tudo estampado na minha cara? Por que eu teria cara de ponto de exclamação, se eu sou um pote, um poço, um oceano inteiro de dúvidas? (4)

Por que eu sou tão idiota? Por que não sinto vergonha de mim mesmo? Por que tenho a leve impressão de que faço sempre as piores escolhas? Por que eu ando tão musical? Por que eu fui assistir àquele filme? (5)

Por que estou escrevendo tudo isso? Por que estou escutando essa trilha pela enésima vez? Por que eu não contei o número exato de vezes em que ouvi essa canção? Por que a distância é tão doída e, ao mesmo tempo, tão confortavelmente segura? Por que você me tira o fôlego? Por que eu não me interesso por mais ninguém? (6)

Por que eu choro tão fácil? Por que eu não perco a capacidade de rir de mim mesmo? Por que eu acho graça de tudo e não vejo graça em mais ninguém? Por que o seu corpo pode ser o infinito e, ao mesmo tempo, ser tão palpável, tão delicioso de apertar? Será que eu vou ter vergonha de ter escrito isso no meu blog? Será que você vai ler essas palavras e me achar um louco, alucinado e criança? Será que o mundo é mesmo tão racional, tão estatisticamente perfeito? (7)

Faço minhas as palavras de Antônio Cícero, musicadas por Marina Lima, mas que eu prefiro nesta versão aqui. É a canção "Três", do novo álbum da Adriana Calcanhotto.

Um
Foi grande o meu amor
Não sei o que me deu
Quem inventou fui eu
Fiz de você o Sol
Da noite primordial
E o mundo fora nós
Se resumia a tédio e pó
Quando em você tudo se complicou
Dois
Se você quer amar
Não basta um só amor
Não sei como explicar
Um só sempre é demais
Pra seres como nós
Sujeitos a jogar
As fichas todas de uma vez
Sem temer, naufragar
Não há lugar pra lamúrias
Essas não caem bem
Não há lugar pra calunias
Mas por que não
Nos reinventar
Três
Eu quero tudo que há
O mundo e seu amor
Não quero ter que optar
Quero poder partir
Quero poder ficar
Poder fantasiar
Sem nexo e em qualquer lugar
Com seu sexo junto ao mar.


Não sai da minha cabeça o seu olhar silencioso, assustado, bichinho acuado no canto.

Que lindo o seu choro. Intenso, não tão fácil como o meu. Como sou manteiga derretida mesmo, é como se minhas lágrimas fossem artigos de camelô. Baratinhas, fáceis e, talvez, ligeiramente falsas. As suas não _elas parecem surgir apenas nos momentos cruciais.

Um choro indefensável o seu, é verdade, mas impossível de conter.

Você quer vir dormir comigo? (1)

Por que sou tão 0800? Por que sou tão 8 ou 80? (2)

Por que buscar respostas lógicas em algo que nada tem a ver com a lógica? Por que diabos me agarro tanto a esse maldito edredon, se faz tanto calor no Rio? Por que sinto tanto calor aqui dentro de mim? (3)

Por que eu sinto essa certeza de que você me completa? Por que eu sinto tanta saudade do seu beijo? Será que um dia estaremos prontos de verdade? Será que já não estamos? (4)

Por que sinto que estou sempre prestes a cometer uma loucura? Por que cargas d'água sou sempre racional o bastante para não colocar a loucura em prática? Por que estou tão certo de que a maior das loucuras é seguir vivendo cada dia, um depois do outro, como se não soubesse que estamos perdendo tempo? Por que acho saudável que você prove mais coisas do mundo? Por que, ao mesmo tempo, quero você só pra mim? (5)

Por que não acreditar que o futuro vai nos fazer rir de tudo isso? De onde tirei essa idéia estúpida de que, no fim, vamos ficar juntos? Será que posso ensinar a você que há outros caminhos para chegar ao mesmo resultado? Você só enxerga o 2+5, mas quem sabe não se surpreende com o 3+4? Será que o melhor não é fazer justamente o 8-1? Será que essa conta precisa obrigatoriamente fechar na ilusória perfeição do 7? (6)

Estou aberto a possibilidades e a operações inusitadas.

Só o que sei é que você é o meu número. Um número natural (N), inteiro (Z), racional (Q), real (R) e complexo (C).

O amor, estou convencido, é mesmo um número complexo. Não por ser difícil _não acredito que seja. Mas por ser formado sempre por uma parte real e uma parte imaginária.

O que eu sinto não poderia ser mais real. E o que eu imagino é que não há como não valer a pena.

Talvez a situação atual tenha mais cara de número hipercomplexo. Um complexo hiperbólico, um número bicomplexo... Partes vetoriais, partes escalares... Ou uma infinidade de sedeniões cônicos _modulares, alternativos e flexíveis.

A única certeza matemática é que não há número capaz de representar a força que me move, me empurra, me arrasta feito enxurrada, me leva e me eleva até você.

29.3.08

Um tapinha não dói

A BBB Nathália disse em alto e bom som para o Brasil inteiro escutar: "Carinho a gente recebe de pai e mãe, homem tem que dar é porrada na cama". Causou alguma espécie, mas a terra não tremeu nem o mundo acabou.

Mas um juiz federal de Porto Alegre decidiu nesta semana que um tapinha _ao menos quando cantado_ pode doer muito... no bolso. O magistrado condenou a gravadora carioca Furacão 2000 (que é uma espécie de Meca do Funk, talvez a maior responsável pela divulgação do gênero no país) a pagar R$ 500 mil de indenização ao Fundo Federal em Defesa dos Direitos da Mulher.

O magistrado entendeu que a música "Um Tapinha Não Dói", lançada no início da década, gerou um dano difuso às mulheres por incitar a violência contra o sexo feminino.


Um tapinha não dói
Um tapinha não dói
Só um tapinha
Dói, um tapinha não dói
Um tapinha não dói
Um tapinha não dói...


Viagem no tempo e me lembro de que Caetano Veloso foi vaiado no Canecão em 2001 ao cantar um funk da moda. Era justamente o "Tapinha", o megahit do MC Naldinho, da MC Bela e da professora primária que virou funkeira, a MC Beth, que também nos brindou com a Dança da Motinha.

A decisão do juiz foi dada em uma ação civil pública iniciada em janeiro de 2003 pelo Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul. A Furacão 2000 anunciou que iria recorrer da decisão.

Detalhe: a decisão ajudou a trazer a música de novo à lembrança de todo mundo. O "Tapinha", que andava esquecido, foi literalmente reposicionado na mídia. Seria o caso de avaliar o dano causado às mulheres pela decisão da Justiça?

O mesmo juiz não viu problema nenhum na canção "Tapa na Cara", do grupo Pagodart, hit de axé que deixou divas baianas como Daniela Mercury e Margareth Menezes indignadas. As cantoras se recusaram a cantar a música no Carnaval de Salvador. Na mesma ação, o Ministério Público tratou das duas músicas, mas o juiz só viu problemas em uma delas. Resumo da ópera: "Tapa na Cara" pode; "Tapinha", não.

Parece que a iluminada BBB Nathália tem razão. Ou, enfim, pelo menos é esperta e segue a jurisprudência.

O MC Naldinho, autor e intérprete da canção "Tapinha", segundo a Folha Online, explicou que a idéia da música surgiu num dia em que deu um "tapinha corretivo" em sua filha Karolyne, hoje com 10 anos, mas com 3 na época. A menina teria retrucado: "Pai, um tapinha não dói." E o funkeiro insiste: a idéia passava longe de ofender as mulheres.

Verdade ou não, tudo isso me deixa com a leve impressão de que há coisas muito mais importantes para a gente se preocupar no Brasil.


O que não dá pra perder é essa ótima desculpa para falar de funk e de como esse ritmo mais do que interessante conquistou até os paulistanos moderninhos. Perdi a conta de a quantas festas fui em São Paulo em que os DJs tocavam funk em meio a sucessos indie. Hahaha. E tem gente que ainda duvida que o funk virou cult.

Outro dia estive no Bailinho, uma festa aqui no Rio em que o ator Rodrigo Penna e seus convidados (gente como Davi Moraes e Lúcio Mauro Filho) fazem um som divertido, misturando hits eletrônicos e samba, passando pelo rock e pelo pop. A experimentação rola ali com certa liberdade e pude ouvir pérolas como "Chorando se foi", megahit do Kaoma, tocada em ritmo de funk.

Também me lembrei desses malucos aqui, que passam a vida gravando versões acústicas de funks cariocas. Surreal.

E tive ainda o privilégio de, ao escrever este texto, visitar pela primeira vez na vida um site que jamais havia pensado em procurar. Divido com vocês esse prazer inenarrável. É o site de Leandro Dionísio dos Santos Moraes, nascido na Cidade de Deus, o artista que é um bonde.

Mas o funk é poesia pura, a coisa mais linda do mundo, não é mesmo, Tom Zé? Veja se você concorda.




Cada doido com a sua mania.

Eu, por exemplo, só quero é ser feliz, andar tranqüilamente na favela onde eu na(i)sci.



Mas isso é porque ainda sou calouro na universidade do funk. Se São Paulo me devia (e me deu) um edredon, o Rio ainda me deve um baile funk.

Haja créu. Haja cerol.

18.3.08

Quando a saudade aperta

De tudo ao meu amor serei atento antes. Mas depois... Ah, depois é cada um com a sua dor.

A dor de todo esse mundo, pra mim, é algo que, ao menos nos últimos dias, se aproxima do desconforto de ter elásticos entre os dentes e apertar o aparelho ortodôntico.

O juiz federal e autor de livros de "auto-ajuda" sobre concursos públicos William Douglas compara os sacrifícios para passar nos exames aos aparelhos ortodônticos. Diz ele: "Lembro-me da máxima que criei sobre concursos: 'a dor é temporária, o cargo é para sempre.' Aplicada aos aparelhos ortodônticos, 'a dor é temporária, o sorriso é para sempre'."

Sim, sim, seguindo a máxima de que 30 é o novo 20, tão difundida por Cíntia e sua comparsa Melissa, me aproximo da mudança de década com um sorriso que não reconheço.

Aliás, me roubaram mais que meu sorriso recentemente. Muito recentemente. Eu diria, com chance de erro, que parece que foi ontem.

Mas a dor que me lembra a cada instante que tenho dentes (e que eles precisam mudar de lugar) não supera a dor sorrateira do silêncio do outro lado da linha.

Não há o que dizer? Como é possível? Se antes, com tal zelo, havia tanto a ser dito?

O outro lado da linha é o outro lado do mundo.

Inútil paisagem. Um dia frio. Longa é a tarde. Águas de março _e, apesar do calor, o inverno no Leblon é quase glacial. Nem sempre.

Que adianta ouvir que escrevo bem, se não me faço entender? Às vezes, eu queria que a vida fosse escrita. E, no mundo da TV, me afasto mais um pouco da palavra escrita. "Ai, que absurdo!", diria a Narcisa.

Minha ansiedade ainda me mata. Sou tão ansioso que sinto saudade até do que ainda nem aconteceu. Saudade do porvir. Hahaha.

Sou tão ansioso que me atropelo. Não tenho pânico nem nada, mas sou relativamente bastante afobado. Sobretudo quando meus olhos brilham diante de algo que admiro, quero, amo.

Assim é com o jornalismo. Assim é com a palavra bem empregada. E assim é com o verso certo, no momento certo, na trilha sonora perfeita.

Uma pesquisa da University of Southern Califórnia, nos Estados Unidos, mostra que a ansiedade pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver doenças cardíacas em até 40%. Mas o que fazer quando são justamente os males do coração os causadores da ansiedade?

Já um estudo da USP de Ribeirão Preto concluiu, em 2006, que os ajustes em aparelhos ortodônticos fixos ativam estruturas do cérebro relacionadas à dor. Na prática, quando o aparelho é apertado pelo dentista, células nervosas que captam sinais de dor são ativadas e funcionam mais intensamente.

Com o passar dos dias, no entanto, ocorre o inverso: segundo a pesquisa, aumenta a participação dos neurônios responsáveis por reduzir ou filtrar a dor.

Isso leva a crer que um aparelho bem apertado faz todas as dores doerem mais no início. Tecnicamente o aparelho poderia até, talvez, potencializar uma dor de amor. Mas, com o tempo, tem o curioso poder de deixar o sujeito mais durão. Tomara.

Talvez seja essa a explicação científica _ou a desculpa de que eu precisava_ para entender por que ando tão insuportavelmente chato nos últimos dias.

(Pausa para reflexão)

Ai, meu Deus, permita que eu possa mastigar todas as dores _apesar do aparelho apertado. Que eu possa digerir cada suspiro como se fosse o doce que derrete na boca. Que eu possa ser menos intenso e menos melancólico. Menos chato. Menos eu.

Tudo isso, claro, com um belo sorriso no rosto, sem dentes (nem amores) separados.

25.2.08

Hã???

O Oscar me surpreendeu. E olha que nem foi porque os atores americanos não tiveram vez.

Para quem não se deu conta, os atores premiados são todos importados: Tilda Swinton é britânica, Marion Cotillard, francesa, Javier Bardem, espanhol das ilhas Canárias, e Daniel Day-Lewis, londrino com nacionalidade britânica e irlandesa (fez até uma cômica reverência no palco para sua "Rainha", a também britânica Helen Mirren).

Enfim, mas nem foi por nada disso que me surpreendi. Foi por causa da música.



"Falling Slowly", premiada com o Oscar, tem um significado especial pra mim.

Confesso que fiquei embasbacado ao ver o reconhecimento, digamos, mundial, de algo que eu julgava tão secretamente meu. E, por mais que eu não consiga traduzir tudo que passa agora pela minha cabeça, não dá pra negar a intensidade da coisa.

Me apaixonei por essa música em um momento bem conturbado, de grandes decisões não tomadas. E a descobri por causa da Alanis, que colocou a despretensiosa canção em seu site, meio que fazendo clima de mistério, sem dizer de quem eram as vozes e identificando a música apenas como "Once". Curioso que sou, vasculhei a internet e nem assim encontrei a resposta. Na verdade, era apenas o nome do filme que tinha essa música na trilha.

Pois é, cantada pela tcheca Markéta Irglová e pelo irlandês Glen Hansard, que também são os atores do filme, a música já tinha virado até toque de celular.

A publicidade do filme pergunta "Com que freqüência você encontra a pessoa certa?" e responde com o título: "Once".

-Hã??? Uma vez?... Será?!

A gente tem sempre uma escolha nas mãos. A gente pode sempre escolher. E deixar tudo como está pode ser a mais dura das escolhas. Sobretudo quando a decisão não é sua, e o veredito de ficar bem longe de você parte exatamente de quem você ama ou amou (ou talvez nem exista tempo verbal pra materializar essa mistura de sentimento engasgado, quase um pretérito-presente).

O jeito é acreditar que, talvez, seja apenas uma fase e que, como seguramente sonham os atores americanos, sua estrela logo vai voltar a brilhar.

19.2.08

Sinal fechado

Não quero assustar ninguém, mas quase morri ontem. E eu só estava em meus afazeres diários. Tudo por causa de um sinal. Sim, sinal mesmo _nada de farol, Paulicéia.

Essa mania que a gente tem de entrar em carro de desconhecidos todos os dias. Esse hábito estranhíssimo de entregar a vida a um cidadão que você nunca viu. Não, não se trata de pegar carona com estranhos, é pior: ainda é considerado chique pagar por isso. Um conforto chamado táxi. E todo mundo viu a história da Maria Luísa Rodenbeck.

Quase morri porque o sinal fechou. E parece que o motorista não viu. Teve um outro engraçadinho, do outro lado, que também não viu. Esses cruzamentos malucos de onde vêm carros de três, quatro lados diferentes.

Diz a Adriana Calcanhotto: cariocas não gostam de sinal fechado. Mas o pior é que nos últimos dias os sinais estão rondando a minha vida.

Muito antes de ontem, passei a semana cantarolando "Sinal Fechado", do Paulinho da Viola. A versão inigualável é a da Bethânia e do Chico, mas vale Elis, vale o próprio Paulinho. Ouvi a música a semana inteirinha. No mínimo curioso.

Fiquei me lembrando do disco do Chico de 1974 que leva esse nome, justamente aquele em que ele, perseguido pela censura, gravou músicas de outros compositores. Do disco todo, só uma música é dele mesmo, "Acorda amor", assinada com o pseudônimo de Julinho da Adelaide. Esperto, aproveitou o título da música do Paulinho para batizar o disco e mandar um recado à ditadura.




Pois é. Estou nostálgico. E "Sinal Fechado" fala justamente de reencontro, né, um tipo de reencontro intenso, mas que te deixa sem saber o que dizer. Não há como fazer estatística, mas minha vida tem se resumido a isso. Olá, como vai? Eu vou indo, e você, tudo bem? E por aí vai.

Mais engraçado ainda é que ontem foi a estréia da minissérie Queridos Amigos, da Maria Adelaide Amaral. Texto delicado, sensível, interpretação bastante feliz de grandes atores. De BH, minha mãe me disse ao telefone que se identificava profundamente com aquilo tudo.

O tema é justamente o reencontro de grandes amigos e amores que de um certo modo ficaram pra trás, mas que se mantiveram incrivelmente presentes ao mesmo tempo. Me emocionei, mas eu nem sou parâmetro, sou manteiga derretida mesmo. Ah, e fala também sobre essa coisa de ver a morte de perto. Na trilha sonora da minissérie, quem diria, "Sinal Fechado."

Sim, a mesma música vencedora do V Festival de Música Popular Brasileira, da TV Record. Novembro de 1969, Paulinho da Viola.





E eu tinha algo mais a dizer. Mas me foge a lembrança.